sábado, 28 de agosto de 2010

Rio Séqua / Gilão

Rio Gilão, Tavira

Existem lugares nos algarves que me encantam e um deles é a cidade de Tavira. Provavelmente alguns de vocês desconhecerão que esta cidade tem um rio que tem dois nomes. Sim de um lado da ponte Romana chama-se rio Séqua e do outro lado chama-se rio Gilão. Este último mais familiar aos transeuntes que por ali passam. E para este facto tinha de existir uma lenda ou não fosse o povo tão dado a estas estórias!

Tudo começou na época da ocupação muçulmana. Nesses tempos vivia um rei mouro em Tavira, que tinha uma filha chamada Séqua. Mas a conquista cristã ao reino do Algarve aconteceu num desses dias do século XIII e entre os cavaleiros estava o nobre cristão Gilão. Claro que quando os olhos de Gilão se cruzaram com os de Séqua o enamoramento foi coisa inevitável! Só que este "perdidamente apaixonados" era coisa proibida, pois eles pertenciam a culturas diferentes e também a facções militares opostas. Como nestas coisas o coração fala sempre mais alto, o cavaleiro Gilão e a princesa Séqua não quiseram cá saber de histórias e começaram a encontrar-se todas as madrugadas em cima da ponte.

Lamentavelmente estas lendas de amores caminham sempre para a tragédia, por isso certo dia um coscuvilheiro de uma das facções, que não tinha nada que andar por ali, acabou por ver os dois apaixonados e avisou a outra facção. O amor secreto dos dois deixou de o ser, mas como ambos o desconheciam, sim porque nestas coisas os lesados são sempre os últimos a saber, marcaram novo encontro para a madrugada seguinte. E nessa madrugada, pensando eles que continuavam encobertos pela aurora, foram surpreendidos por ambas as facções. Numa das margens do rio estava a facção cristã e na outra encontrava-se a facção moura. Ao serem assim apanhados, os dois enamorados ficaram apavorados, pois a realidade de que iriam ser acusados de traição e provavelmente levados à morte passou-lhes pelos pensamentos atemorizados.

E não ouviram já dizer que «quando o mal é de morte, o remédio é morrer»? Pois foi isso mesmo que aconteceu! Num fugaz olhar entre os dois tudo se decidiu. A princesa Séqua atirou-se para um dos lados da ponte e o cavaleiro Gilão atirou-se para o outro lado, caindo os dois ao rio, mas em lados opostos. E assim se explica o porquê dos dois nomes. Agora não se acanhem e digam-me qual o nome do rio que revela a fotografia. Foi a princesa Séqua ou o cavaleiro Gilão que ficou deste lado da cidade?
_________________
Fonte: Arquivo do CEAO - Centro de Estudos Ataíde Oliveira (Recolhas Inéditas), de AA. VV..

4 comentários:

drm disse...

desconhecia lenda e ta uma boa pesquisa ;)

Raquel disse...

Desse lado da foto, quem se atirou foi o Gilão :)

Paula disse...

Também não conhecia a lenda :)
Talvez a princesa Séquea :P

tonsdeazul disse...

Considero esta lenda bem bonita!
E deste lado da ponte foi mesmo o Gilão que ficou! :)

Pinturas populares (últimos 30 dias)