quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

CLXXXIII

sorrirpara Ti.

sim hoje é quin-ta, quin-ta!
sim faz todo o sentido.

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Évora Monte que te deixas ver

Os caminhos são incertos, mas os pés mesmo doridos não querem parar. Um pé, chão... Outro pé, chão... Não querem parar. Um pé, chão... Outro pé, chão... Continuam a pisar o chão que os conduz até ao infindável cimo do monte. Até ao cimo do monte não vão parar.

Évora Monte

No cimo do escarpado monte vigia o Dominador de largos horizontes. Vigia aquele que, a grandes distâncias, se deixa ver e tudo vê. Deixa-se ver para desafiar o ofegante cansaço a subir até ao cimo do monte. Um pé, chão... Outro pé, chão... Não querem parar. Até ao cimo do monte não vão parar.
O barulho dos passos deixa-se de ouvir. A respiração acelerada quase já não se ouve. O silêncio, por fim... Chega.

Évora Monte

Ali está ele, o Imponente! Separado das suas muralhas. Isolado. A abertura da muralha aproxima-o do intimidado olhar que o espreita. A tranquila vila continua a deixar-se abraçar pela envelhecida muralha. Ele, o Majestoso, sabe que, de qualquer ponto do seu cume, assombra o alcance do olhar, de beleza e grandeza!

domingo, 13 de janeiro de 2008

"Caniches - a outra carne branca"

A Lagoa do Sherman - volume 2

A Lagoa do Sherman (volume II), de Jim Toomey foi um dos livros que recebi no Natal e como já faz algum tempo que não escrevo sobre livros de banda desenhada (e como tenho o mar a dois passos de casa), aproveito para dar a conhecer o Sherman e os seus amigos.

Sherman é um tubarão, que está sempre com fome e anda constantemente a inventar formas de petiscar "macacos-de-praia-sem-pêlo". Ou seja humanos! Tal como os outros personagens, vive numa lagoa situada no Pacífico Sul e é casado com a excêntrica e controladora Megan.
Um dos seus amigos é Fillmore, a tartaruga pensadora. Para além de ter adoptado uma tartaruga bebé, lê e escreve poesia. Fillmore tem, sem dúvida, uma personalidade muito especial.
Depois temos o caranguejo mau feitio, que se chama Pinças. Para além das suas ideias malucas, tem um fetiche por dedos dos pés (humanos). Numa das tiras começa uma terapia de como “deixar de beliscar dedões dos pés em 30 dias através da hipnose”. Posso confirmar que não resultou. Este caranguejo apatetado é um querido! Não sei se é pelo seu mau feitio, ou se é pela sua carapaça! Mas sei que tem imensa piada!
Para além deles ainda aparecem outros personagens, como Thornton, o urso polar que se perde e decide passar umas férias na lagoa. O Pinças não perde uma oportunidade para se meter com ele!

A Lagoa do Sherman (clica na imagem para aumentar)

Este segundo volume de tiras revela um sentido crítico do nosso inquietante quotidiano, sem lhe tirar o essencial: o humor. Com ele, o autor espera “conseguir inspirar leitores a olhar para uma solha e ver, não um peixe chato (literalmente) e feio, mas uma coisa viva (…) com interesses, problemas de relacionamento, e possivelmente uma dívida crónica no cartão de crédito”. Bons mergulhos!

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Conchas

conchas da praia conchas da praia

«No mar existem muitas conchas. Umas bonitas e boas, e outras más e feias. Procurei as conchas boas, mas não as encontrei. Estavam partidas ou riscadas. Cortavam.
Até que, um dia, a maré trouxe até mim uma concha. Colorida e transparente. Essa concha abriu-se e eu sentei-me lá dentro. Para sempre.»

O Guarda da Praia, de Maria Teresa Maia Gonzalez

Pinturas populares (últimos 30 dias)