segunda-feira, 12 de março de 2012

“O tédio do fingimento”

F. Scott Fitzgerald ficou na minha lista de autores a ler mais, depois de o ter descoberto em O Grande Gatsby. Assim, li emprestado O Estranho Caso de Benjamin Button, que não gostei tanto como do filme. Comprei na coleção do Público, Terna é a Noite, que ainda aguarda uma oportunidade para ser lido. E recebi de presente Belos e Malditos, cuja sinopse suscitava uma leitura promissora. Posso já dizer que não desiludiu! Belos e Malditos está muito perto da genialidade de O Grande Gatsby

Em Belos e Malditos entramos na vida de Anthony Patch e Gloria Gilbert. Ambos têm personalidades bem vincadas. Anthony é um jovem despreocupado e boémio, que não trabalha, nem pretende trabalhar algum dia, mesmo quando se assume como um promissor escritor. Considera o seu modo de vida justo, por isso aguarda pela morte do seu avô doente (um conservador e moralista, que luta contra os vícios, principalmente da bebida) para herdar toda a fortuna. Gloria é uma mulher vibrante, extravagante e principalmente bela. Consciente desta beleza, é extremamente sincera na sua forma de estar na vida: «Quero ser preguiçosa e quero ter pessoas à minha volta a fazer coisas, porque me fazem sentir confortável e segura… e quero ter pessoas por perto que não façam nada, porque são graciosas e boa companhia.» 

O destino acaba por os juntar e o jovem casal, apesar das magras rendas dos seus investimentos, não prescinde de levar uma vida sofisticada. Alugam apartamentos que mal podem pagar, comem em hotéis e restaurantes de luxo, viajam nos melhores carros da época, dançam ao som do fox-trott e do jazz e bebem em festas até cair para o lado. Só que os dias felizes dos primeiros tempos não duram sempre, assim como o dinheiro. A vida louca e superficial dá lugar a discussões e a fragilidades que conduzem à ruína e à decadência. 

«Depois do reflorescer da ternura e da paixão, tinham ambos voltado para um sonho solitário que o outro não partilhava, e as expressões de ternura que trocavam pareciam passar de um coração vazio para outro igual, ecoando em som cavo a partida daquilo que, por fim, compreendiam ter desaparecido.» 

O fulgor da juventude é efémero, a fortuna não há meio de vir parar aos seus bolsos e os amigos deixam de aparecer. Fitzgerald retrata com mestria, os loucos anos 20; tendo como cenário a cidade de Nova Iorque no antes, no durante e no pós I Grande Guerra e o surgimento das restrições da Lei Seca, que são claramente desrespeitadas pelo jovem Patch.

9 comentários:

Teté disse...

Nunca li nada do autor. Se calhar está na altura... :)

Beijocas!

MJ FALCÃO disse...

Scott Fitzgerald é um dos meus escritores preferidos! "Terna é a Noite", "Great Gatsby" e, sobretudo, os contos maravilhosos, pungentes escritos por alguém que nunca envelhece... Por isso, talvez, sentimos as suas histórias tão "actuais": são de sempre, de um jovem de sempre -igual a outro jovem...
Beijo

Miguel Pestana disse...

Tal como a Tete também nao iniciei-me na obra de Scott F., mas a vontade é muita!

O grande Gatsby penso que será o primeiro que lerei, pois é a sua Obra de referência.

Gostei d eler a sua opinião a este Belos e malditos.

André Nuno disse...

Tons de Azul,
fiquei curioso. Embora seja um autor bastante conhecido nunca li nada de sua autoria. Fiquei interessado, sobretudo com o Gatsby.
Já chegou o Copperfield pelo correio... :)
Boas leituras!

tonsdeazul disse...

Teté, Miguel Pestana e André Nuno,
Aconselho vivamente a conhecerem F. S. Fitzgerald. Se começarem pelo "O Grande Gatsby", começam logo pelo melhor! :)

O meu "David Copperfield" está parado agora, André Nuno. E não é por não estar a gostar. São muitas páginas e tive mesmo de dar um descanso. Não consigo estar sempre de volta do mesmo. ;)


MJ Falcão agora o próximo que quero ler do autor é mesmo "Terna é a noite". Que também me suscita muita curiosidade. :)
Beijos

Fúser disse...

Olá!

Sei que não tem nada haver com o tema, mas por acaso ainda te lembras de onde retiraste o template deste blogue? É dos que mais gosto e não consigo encontrar nenhum sequer semelhante e gostaria de usar um destes para um blogue fotográfico que tenho. Ainda te lembras de onde retiraste o template?
Obrigada.

tonsdeazul disse...

Olá Fúser,
Se queres saber do fundo e do corpo, posso dizer-te que é simples.
No separador Modelo escolhi o Modelo Viagens e depois no Separador Fundo, selecionei a opção Texturas e dentro das texturas tens o tal fundo azul que eu tenho.
Agora se te referes só ao template (topo), aí nesse caso não vais encontrar. Pois este é exclusivo do tonsdeazul. ;) Foi feito para mim pelo meu irmão.
Bons clicks fotográficos!

Fúser disse...

Olá Tons de Azul :)

Muito obrigada pelas dicas. Consegui fazer o mesmo mas optei por outra cor de fundo. Valeu! :)

tonsdeazul disse...

Fúser ainda bem que pude ajudar. Assim que conseguir um tempinho mais calmo, conto em dar lá um saltinho, pois do que vi fugazmente gostei bastante das fotos. ;)

Pinturas populares (últimos 30 dias)