quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Olhar 3: "Olhar escuro"

Procuro nos teus olhos o brilho do olhar,
esse brilho fatal que falta e me faz falta.
É nele que sinto a distância, é nele que me perco.
Queria voltar a sentir a luz a percorrer todo o meu corpo,
mas essa luz já não existe.
É assim que eu te vejo, nesse olhar de olhos fechados.
Eu fico só, e vivo o silêncio da sombra que me faz viver assim.
A amargura das palavras vendadas pelos olhos que falam no silencio,
Ai esse silêncio, que me agarra, que me aperta o coração,
e não me deixa sentir-te aqui.
O escuro é triste…e mais triste é o teu olhar, de olhos fechados.

_______________
Autor: O autor

Blogue: http://www.surrapa.blogspot.com/

5 comentários:

Anónimo disse...

1 ponto...

Anónimo disse...

és tão tu...

Rogeriomad disse...

Não sei o que dizer deste poema.
Posso interpretar o "olhar escuro" quando dormimos... posso interpretar como uma invalidez...
posso interpretar como um olhar que nada mostra...

Se por um lado é desconcertante... ao mesmo tempo é animador...

Penso que este poema quer dar-nos uma lição de vida... mas...
Se tivesse melhor estruturado, poderia dar luta...

humming disse...

Eu interpretei o olhar escuro como morte... Um olhar de olhos fechados... Luz que já não existe, silêncio... Gostei deste poema, só tenho pena que se faça referência aos "olhos fechados" a meio. O fim teria um impacto mais forte, inesperado... Mas é só a opinião de alguém que gosta de fins "cabum!". ;)

MS disse...

Um olhar que se perdeu, que se fechou, que partiu para outras luzes e outras cores, mas que ao partir deixou a tristeza e a saudade no olhar que ficou.

Pinturas populares (últimos 30 dias)