quinta-feira, 28 de outubro de 2010

a Biblioteca

La Cité des Livres, François Schuiten, Bélgica

«Chegada a noite, volto a casa e entro no meu escritório; e, na porta, dispo a roupa quotidiana, cheia de lama e de lodo, e visto trajes reais e solenes; e, vestido assim decentemente, entro nas antigas cortes dos homens antigos, onde, recebido amavelmente por eles, me alimento da comida que é só minha, e para a qual nasci; onde eu não me envergonho de falar com eles e de perguntar-lhes as razões das suas acções. E eles com a sua bondade respondem-me; e, durante quatro horas, não sinto tédio nenhum, esqueço-me de toda a ansiedade, não temo a pobreza, nem a morte me assusta: transfiro para eles todo o meu ser.»
Carta a Francesco Vettori, de Maquiavel

4 comentários:

Paula disse...

Alô :))
Que linda imagem e diz-me estás a ler Maquiavel?
:)
Abraço

Teté disse...

Um Maquiavel numa faceta desconhecida, para mim... :)

Beijocas!

tonsdeazul disse...

Este é um dos autores que tem o seu trabalho exposto no Festival de BD da Amadora, Paula.
Não, não estou a lê-lo. Apenas andei a folhear e encontrei esta passagem que considerei que se enquadrava com esta imagem fantástica de Schuiten. ;)
Bom fim-de-semana! Por aqui parece que vai ser molhado!


Ainda não li nenhuma obra de Maquiavel, Teté. Só pequenas passagens...
O que já leste dele? Tenho na estante à espera "O Príncipe" e "A Arte da Guerra". Aconselhas algum destes ou outros?
Beijocas

Teté disse...

Nunca li nada de Maquiavel, tal como tu só conheço algumas frases e a sua "fama"... :)))

Pinturas populares (últimos 30 dias)