terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Amendoeiras em flor


No tempo em que Al-Gharb era terra de mouros, Silves desconhecia o dito Silves de tempos vindouros. Silves fazia-se conhecer por Chelb. E em terra de mouros reinava rei mouro! Rei com nome de rei! Ibn-Almundim.
Os dias eram feitos de batalhas e mais batalhas, mas o rei de tez cobreada, bravo e audaz, na guerra não conhecia o sabor da derrota. Certo dia, enquanto caminhava por entre os prisioneiros de uma batalha, os seus olhos encontraram uma bonita princesa de olhos azuis e porte altivo. Gilda era seu nome. Maravilhado com tamanha beleza, Ibn-Almundim não hesitou em dar-lhe a liberdade e confessar-lhe o seu enorme amor.
Não se fazendo esperar, Ibn-Almundim desposa a sua rainha e tal amor lhe tinha, que os anos felizes foram muitos.

Só que a felicidade cansada de ver tanta alegria no jovem casal, leva a doença até à “Bela do Norte”. (Assim lhe conhecia o povo). Rouba o sorriso à jovem rainha, que adoece, deixando o rei que tinha nome de rei com lágrimas de desconsolo. Tudo o rei tentou, mas nada tirava a rainha da sua maleita. Ibn-Almundim desesperava de tanto a ver sofrer. Mas os dias também não são sempre iguais e um certo dia, um velho cativo nas catacumbas do reino, cansado de saber da tristeza da sua rainha pede para ser recebido pelo rei.
- Ibn-Almundim, disse o velho. – A “Bela do Norte” sofre de nostalgia do seu país distante. Falta-lhe os campos pintados de branco e os flocos gélidos do norte.
Descoberta a sua malfadada desgraça, o rei com nome de rei não parou até conseguir deslumbrar os olhos da “Bela do Norte”, com a brancura do seu país gélido. E foi com ordens de rei, que Ibn-Almundim mandou plantar por todo o seu reino as lindas amendoeiras.

Na Primavera seguinte, Ib-Almundim conduz a sua “Bela do Norte” à janela do castelo e deixa-a contemplar o maravilhoso espectáculo das amendoeiras em flor. Ao ver as brancas flores das amendoeiras, a jovem Gilda dá mostras de alegria e todo o seu corpo dá mostras de recuperação, pois ao ver as terras cobertas por um manto branco, a jovem rainha julgou ver a neve ainda não esquecida da sua gélida terra.
- Vede minha adorada e doce rainha - disse-lhe Ib-Almundim de sorriso no rosto - Alá quer ver-vos de novo, de olhos brilhantes e felizes.
Ficou assim Gilda curada da saudade que sentia. E, todos os anos, no início de cada Primavera, a "Bela do Norte" via do alto da torre, as amendoeiras cobertas de lindas flores brancas, que lhe faziam lembrar os campos cobertos de branca neve da sua gélida terra.
________________
Fonte: Infopédia

2 comentários:

ematejoca disse...

A lenda das amendoeiras em flor é de todas as lendas - a mais bela.
Li e reli esta lenda na minha meninice.
Ainda em Portugal/Porto sonhava com a neve dos Países do Norte. Hoje vivo no país dos meus sonhos, mas este ano fiquei farta de neve.
Quero as tulipas de volta!

Bom fim-de-semana.

tonsdeazul disse...

Olá Ematejoca!
Pois o tempo anda instável e culpa nossa. Esperemos que os dias de Primavera cheguem rápido e com ele os campos em flor. :)

Gosto de lendas, apesar de não conhecer assim tantas como isso! Esta tem um encanto e doçura especial.

Um óptimo fim-de-semana para ti também. :)

Pinturas populares (últimos 30 dias)