terça-feira, 26 de março de 2013

Dia do Livro Português

Carlos Rocha, Portugal

Hoje assinala-se o Dia do Livro Português. Não sei se será estigma não gostar dos nossos autores ou do que se escreve na nossa língua, mas a verdade é que muitos de nós, nem sempre temos como primeira escolha, nas nossas leituras, autores portugueses! 

Uma amiga minha diz-me constantemente, que a grande maioria dos autores portugueses cansam-lhe. O pior de tudo para ela é o processo descritivo das obras. "Não há pachorra!", diz-me ela. Já um outro amigo meu, diz que não consegue explicar bem o porquê de não ler autores portugueses. A verdade é que só se lembra de os ler na sua adolescência; nas leituras obrigatórias do secundário.

Já eu não partilho do mesmo sentimento. Gosto imenso dos nossos autores mais falados e conhecidos, e de há uns anos para cá tenho descoberto autores fabulosos que me fazem apaixonar cada vez mais pela nossa extraordinária capacidade de contar estórias.

As leituras este ano não têm sido abundantes... Daí também a minha ausência de opiniões. Mas comecei o ano à descoberta de João Tordo, com o Bom Inverno. E vocês o que têm lido em português nestes três meses? Contem-me tudo! :)

4 comentários:

Isabel disse...

Este ano tenho lido pouquíssimo. Nunca li tão pouco, porque nunca tive tanto trabalho. Neste momento estou a ler um livro de um autor brasileiro.

Não sabia que havia o dia do livro português.Estamos sempre a aprender!

Um abraço

Teté disse...

Bom, como tenho andado às voltas com a trilogia do Murakami, em número de livros também tenho lido menos. Mas este ano já li "Cafuné", de Mário Zambujal e "Verão Quente", de Domingos Amaral. Deste último não gostei muito, embora em tempos tenha lido do mesmo autor "Enquanto Salazar Dormia", que gostei imenso.

Agora que acabei o Murakami, em princípio vou ler um que tenho em mente há muito tempo, e encontrei recentemente numa edição de bolso: "Capitães de Areia", de Jorge Amado. Não é português, mas é em língua portuguesa... :)

Ah, e o próximo livro do Clube de Leitura também vai ser de um escritor português: Afonso Cruz, "O Pintor Debaixo do Lava-Loiças".

Não tenho nada contra escritores de nenhuma nacionalidade, portuguesa ou outras, realmente Saramago dá-me sono, um da Agustina achei muito difícil de ler, de Lobo Antunes gosto das crónicas mas nunca tentei nenhum dos seus livros. Mas gosto imenso de José Luís Peixoto e Moita Flores, por exemplo. E claro que gostava do Eça, que ainda é atual, mas imagino que para os mais jovens esteja um bocado "datado"... :)

E pronto, quase que escrevi um testamento, em comentário! São os livros que me põe assim... :)))

Beijocas!

tonsdeazul disse...

Qual é o autor, Isabel?
Isto há dias para tudo! ;)


Olá Teté,
O único que já li, dos que referes, foi o de Jorge Amado.
Tenho muita curiosidade nesse de Afonso Cruz, "O Pintor Debaixo do Lava-Loiças". Depois tenho de ler a tua opinião. ;)
E os teus testamentos são sempre bem-vindo! :)
Beijinhos

Carlos Rocha disse...

Não sei se li ou ouvi que, a uma dada altura, estamos mais interessados em reler do que ler. Como que um regressar aos lugares onde fomos outrora felizes; reviver os anteriores estados de espírito (não é garantido, porquanto somos já pessoas diferentes do momento da primeira leitura), eu sei lá. Apenas sei que estou há muito nessa fase: a da releitura.
Contudo ofereceram-me uma mão cheia de livros entre os quais alguns nunca por mim lidos; acho que vou aproveitar.

Susana, já li "O Bom Inverno". Gostei, e até agora o João Tordo não me tem decepcionado. (Não sei se sabes, mas um dia ele passou pela biblioteca de Olhão. Não lhe pude comprar o livro, mas no final dei-lhe um aperto de mão (tem uma palma da mão fina :) ) e fiz-lhe autografar um papelinho que o guardo ainda.)

ps: Obrigado pela surpresa de ver uma ilustração minha por aqui. :)

Pinturas populares (últimos 30 dias)