quinta-feira, 15 de outubro de 2009

"Sem Destino"

Se tivesse mais tempo gostaria de dedicá-lo aqui, no tonsdeazul. O certo é que o tempo não estica e o pouco que tenho livre é passado, na maior parte das vezes, entre páginas de livros. Claro que depois gostaria de partilhar neste espaço, todos os livros lidos, mas isso também não me é possível. Assim sendo, o mês de Outubro é dedicado ao Nobel de 2002, Imre Kertész.

Sem Destino, de Imre KertészDescobri a escrita deste autor através do seu livro Sem Destino. O Holocausto é um tema que me prende na leitura. Perco a conta aos livros que tenho que retratam esta parte da História.

Em Sem Destino, Kertész podia-nos contar uma história igual a tantas outras, pois ele próprio também esteve nos campos de concentração de Auschwitz e de Buchenwald. O certo é que optou por não contar e é aí que se encontra a diferença desta história. Uma história que nos mostra o outro lado dos campos de concentração. O lado sombrio que nós tantas vezes ouvimos contar não deixa de estar lá, mas o outro sobressai e não nos deixa indiferentes.

Sem Destino conta-nos a história de Köves György, um jovem de quinze anos, que é separado da família e levado para os campos de extermínio de Auschwitz, Buchenwald e Zeitz. Permanece cativo durante um ano e meio e mais parece que esteve por lá uma vida inteira! Quando tudo acaba, o seu corpo mostra-lhe que já não é o de um rapaz de quinze anos e o seu interior o que lhe revela?!
Köves György não considera a sua condição traumática, mas vê-a antes como uma experiência igual a tantas outras. E é através desta perspectiva que ele nos narra o lado bom, e até feliz, da sua vida passada nos campos.

«Pois também lá, entre chaminés, nos intervalos do sofrimento, algo se assemelhava à felicidade. Toda a gente me pergunta só pelas vicissitudes, pelos «horrores»: todavia, no que me diz respeito, é talvez essa a experiência mais memorável. Sim, é disso, da felicidade dos campos de concentração, que eu lhes falarei na próxima vez, quando me perguntarem.
Se é que vão perguntar. E se eu próprio não me tiver esquecido.»

A história é narrada de uma forma suave e até chega a ser doce, e talvez por isso é que se torna tão perturbadora e chocante.
Não conto mais, porque estragaria a essência da descoberta. São 183 páginas que se escapam dos dedos num ápice e que valem bem pena percorrê-las.

6 comentários:

Teté disse...

Lembrei-me de "A Vida é Bela" ao ler o teu post. E sim, também aprecio bastante a temática da II Guerra Mundial, porque há coisas que nunca devemos esquecer...

Vou ver se o encontro por aí, que me pareceu interessante, focando outra faceta dessa história macabra.

Jinhos!

S. G. disse...

estar é auschwitz impressiona. e depois ler estes relatos aumenta mais ainda a dificuldade de perceber o que os prisioneiros passaram.

só li um livro do autor "um outro", num registo muito pessoal mas menos relaccionado com esse pasado.

bj

humming disse...

Será a minha próxima aquisição, sem dúvida.

Nunca mais comentei por aqui, mas continuo atenta. :)

Beijinho e boas leituras.

Jojo disse...

Sei que não costumas postar os selos, mas tens uns lá no blog para ti!

Bjoka*

ruinzolas disse...

Que aborrecimento!
Gosto de comentar este blog mas só falas em livros, livros e mais livros... Enfim, coisas de que não entendo patavina... logo... não posso comentar com coisas especialmente parvas e assim...

Rogeriomad [ausente] disse...

Um bom livro para eu ler.

Beijinhos!
;)

Pinturas populares (últimos 30 dias)