quarta-feira, 21 de março de 2018

«Lua adversa»

Parque Nacional da Peneda-Gerês, Portugal

"Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!

Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…"
in Vaga Música, Cecília Meireles

2 comentários:

teresa dias disse...

Bem-vinda amiga da blogosfera!
Escolheste um dia perfeito para voltares - o Dia Mundial da Poesia - e um poema belíssimo de Cecília Meireles.
Que tudo continue bem com a mamã e o filhote.
Não voltes a "fugir", fazes falta por aqui.
Beijo.

MJ FALCÃO disse...

Tão bonito este poema! gostei de aqui vir! Um beijinho em azul

Pinturas populares (últimos 30 dias)