sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

"não procures, encontra"

Estrada do Guincho, Cascais

«- O que poderia ter eu para te dizer, ó Venerável? Talvez dizer-te que procuras demasiado? Que enquanto procurares nunca conseguirás encontrar?
- Como assim? - perguntou Govinda.
- Quando alguém procura - responde Siddhartha - pode acontecer que os seus olhos vejam apenas a coisa que ele procura, que não permitam que ele a encontre por que ele pensa sempre e apenas naquilo que procura, porque ele tem um objectivo, porque está possuído por esse objectivo. Procurar significa ter um objectivo. Mas encontrar significa ser livre, manter-se aberto, não ter objectivos. Tu, Venerável és talvez um homem à procura, pois, perseguindo o teu objectivo, muitas vezes não vês aquilo que está perante os teus olhos.»
Siddhartha, de Hermann Hesse

4 comentários:

Paula disse...

Preciso de reler este livro...
Há livros que são escritos para reler de tempos a tempos e este é um deles!
Beijinho

Anónimo disse...

Comprei-o há pouco mas ainda não o li.Espero lê-lo depressa.
E é bem verdade:encontramos mais facilmente quando não procuramos.
Um abraço
Isabel

tonsdeazul disse...

Sem dúvida, Paula! Este é daqueles livros que merece ser relido ao longo das várias etapas da nossa vida.
Beijinho

Se já o tens, Isabel então não fiques com ele parado na prateleira. ;) Tenho a certeza que vais gostar.
Escolhi este excerto, porque assinala uma das partes mais tranquilas e maravilhosas da minha vida. E só posso dizer que sim, que é quando deixamos de procurar que tudo vem até nós, porque finalmente estamos abertos para o mundo. :)
Um abraço

Anónimo disse...

Acredito sinceramente nisso.

Bom fim de semana
Isabel

Pinturas populares (últimos 30 dias)