sábado, 10 de novembro de 2007

"Ninguém Escreve ao Coronel"

Ninguém Escreve ao CoronelNo mês passado não consegui deixar aqui nenhum registo de pinceladas na escrita. Novembro entretanto já por aqui anda e sendo assim aproveito para escrever sobre o livro Ninguém escreve ao Coronel de Gabriel García Márquez.
Foi o primeiro livro que li deste autor. Um livro de poucas páginas (106 pp.) e que, de tão delicioso, se lê num ápice.

"Era Outubro. Uma manhã difícil de suportar, mesmo para um homem como ele que já sobrevivera a tantas manhãs como esta. Durante cinquenta e seis anos (...) o coronel não fizera outra coisa senão esperar. Outubro era uma das poucas coisas que chegavam."

(Outubro é mesmo um mês diferente de todos os outros. Até mesmo para um Coronel!)

O livro narra a história de um coronel e da sua mulher que perderam o seu filho. O casal recebeu como herança um galo de combate. Este dá imensa despesa, mas vendido seria uma óptima fonte de rendimento. De dia para dia, começam a viver numa situação cada vez mais miserável e são obrigados a pedir cada vez mais créditos para sobreviverem. No entanto, o coronel continua a ter a sua esperança. E é com essa esperança que sai todas as sextas-feiras em direcção ao ao cais para esperar por uma carta de um governo há muito tempo derrubado. A carta que lhe traria a prometida pensão. Só que todas as sextas-feiras o coronel chega a casa de mãos vazias. Contudo, a sua esperança não desvanece. E assim, o coronel e a sua mulher continuam a dar o pouco alimento que têm para eles... ao galo. Pois o galo, segundo o coronel, dará muito dinheiro... Se vencer no dia do combate...
E o fim não conto, é claro!
Uma história complexa, rica em emoções humanas e de personagens inesquecíveis.

7 comentários:

su disse...

Já li este livro há muitos anos. Assim como alguns dos outros deste escritor, e sejam histórias pequenas ou grandes, simples ou complexas, fica-me sempre a sensação plena de grandiosidade deste escritor. Que ronda assim a eternidade. Vale sempre muito a recordar e referir!

Que tenhas tido um excelente dia de S. Martinho, amiga!
Beijinhos!

carteiro disse...

Ainda não li e fiquei curioso.
Para além de ter gostado da sinopse, as palavras que deixas só servem para aguçar a curiosidade!
Um abraço.

tonsdeazul disse...

Su: Pois eu também já o tinha lido há uns tempos atrás, mas tive de voltar a lê-lo para relembrar e falar melhor da história. :)
Beijos e beijinhos


Carteiro: Acho bem que tenhas ficado curioso!! Afinal fala de cartas e do mês de Outubro!! :)
Um outro abraço dos grandes

Teté disse...

Este livro do Gabo ainda não li, mas agradeço a sugestão. Aliás, todas as sugestões para ler certos livros ou conhecer novos autores, por mim, são sempre bem-vindas!

Miss Alcor disse...

Do Gabriel só li o "amor em tempos de cólera".
Mas este parece-me muito bem!

Fernando Pessoa disse...

so li o "amor em tempos de colera" e o "100 anos de solidão", de qualquer das formas é realmente alguém com uma visão global e extensa da vida e do ser humano.

Vane disse...

fogo agora fiquei curiosa..tenho mesmo que ler o livro..

Pinturas populares (últimos 30 dias)